Como o cérebro funciona?

Publicidade

O cérebro é o principal órgão e centro do sistema nervoso em todos os animais vertebrados –  e em muitos invertebrados também! Dependendo do animal, os cérebros podem ser extremamente complexos: para se ter ideia, o cérebro humano contém cerca de 86 bilhões de neurônios que se conectam entre si por mais de 1.000 “linhas de transmissões”, conhecidas como “sinapses”.  

Publicidade

Essa rede de comunicação se dá por meio de fibras protoplasmáticas chamadas “axônios”, uma parte do neurônio que é capaz de conduzir os impulsos elétricos que partem do corpo celular até outro local mais distante, como um músculo ou um outro neurônio, por exemplo.

O Universo Inteligente apresenta: como o Como o cérebro funciona?

Publicidade

Como falamos anteriormente, possuímos cerca de 86 bilhões de neurônios e eles trabalham arduamente gerando os impulsos elétricos que nos fazem andar, comer, falar, pensar e até mesmo refletir sobre as questões existenciais de nossas vidas. Você acredita que cada neurônio possui cerca de 7 mil sinapses? Pois é: e isso é capaz de formar uma rede de 600 trilhões de conexões paralelas, que trabalham arduamente para realizar as nossas funções cognitivas e todas as outras que regulam nossos órgãos.

Publicidade

Nossos cérebros são complexos e com razão: foram 4 bilhões de anos de evolução para que chegássemos à forma de hoje e ainda estamos no processo! O cérebro humano é a máquina biológica mais sofisticada que já existiu na Terra e sua estrutura deixa algumas pistas sobre como evoluímos.

Publicidade

 Podemos dizer que o cérebro tem três camadas: a primeira delas, que se localiza próximo à coluna espinhal e ao tronco cerebral e responde pelos instintos mais primários de sobrevivência como a fuga ou a agressividade; a camada posterior que possui que conta com estruturas como amígdala, o hipotálamo e o hipocampo e é responsável pelas sensações, como fome, sede, sono e outras; e, por fim, uma camada mais complexa: o neocórtex, o responsável pelos nossos pensamentos e sentidos mais complexos, aquela parte dentro de nós que dá bastante trabalho para os psicólogos: a mente!

Publicidade

Essa divisão apenas serve como uma maneira didática de explicar o que acontece em nossa mente, mas é grande verdade é que tudo está interconectado, apesar de muitas áreas do cérebro responderem a determinadas funções.

A neurociência vem se dedicando a cada dia à compreensão mais aprofundada deste mecanismo e, através de estudos feitos com pessoas que tiveram seus cérebros lesionados pudemos perceber que determinadas áreas eram comprometidas resultando em uma sequela associada com o desempenho dessa mesma área. 

Algumas pessoas podem perder a visão enquanto outras poderiam ficar com a personalidade totalmente diferente ao sofrerem algum acidente que comprometa o cérebro. Daí, já dá para ter a ideia do quão importante ele é para todos nós.

Publicidade

Temos dois hemisférios cerebrais: o direito e o esquerdo: em 98% dos humanos, o hemisfério esquerdo é o responsável pelo pensamento lógico e competência comunicativa, sendo o direito o responsável pelo pensamento simbólico e pela criatividade. Pesquisas recentes têm contradito essas informações, no entanto, mostrando que existem partes do hemisfério direito destinados a criatividade e vice-versa.

Publicidade

Cada hemisfério controla o lado inverso do corpo; o direito controla a mão e o pé esquerdos, e o direito controla o lado esquerdo. Por isso, supõe-se que nos canhotos esse processo ocorra de maneira invertida. 

Nossos cérebros possuem um funcionamento tão especial que, quando perdemos algumas das funções cerebrais, existe um mecanismo que, apesar de ser limitado, pode nos ajudar a recuperar as funções perdidas: esse mecanismo é a neuroplasticidade, a capacidade que as sinapses possuem de se modificarem de acordo com o ambiente externo, a fim de nos fazer aprender novas habilidades. 

Publicidade

É por conta desse mecanismo que uma pessoa que perdeu seus movimentos pode voltar a andar através da fisioterapia: uma maneira de o cérebro se reorganizar, usando uma outra parte dele para “repor” a outra que foi afetada.  

Incrível, não é mesmo? 

Bem, e para desmistificar muita coisa, algo precisa ficar claro:  não usamos apenas 10% da capacidade cerebral que possuímos: usamos o cérebro inteiro! Acontece que dependendo da atividade que fazemos, uma determinada área irá funcionar mais em detrimento de outra. 

 

A mente humana ainda é um mistério para nós, porém aos poucos podemos conseguir compreender mais e mais sobre o funcionamento desse órgão vital. Algumas pesquisas sugerem técnicas de ressonância magnética funcional, que permitem ver o cérebro trabalhando em tempo real – o que possibilita que talvez, um dia, possamos entender ainda mais sobre o cérebro e o seu funcionamento e quem sabe responder a um dos maiores – se não o maior – mistério da humanidade: como surgiu a nossa consciência?

Publicidade

Deixe um comentário...

%d blogueiros gostam disto: