Dinossauro de 100 milhões de anos é encontrado ainda com pele intacta

Publicidade

Normalmente encontramos os fósseis de espécies de dinossauros em museus e sítios arqueológicos.

Publicidade

Mas já pensou em encontrar um dinossauro totalmente intacto?

A denominada “múmia de dinossauro” foi encontrada de forma acidental no Canadá.

Esse nodossauro é o dinossauro mais bem preservado já descoberto e possui mais de 110 milhões anos!

Os pesquisadores acreditam que essa criatura esteja tão bem conservada por conta que possa ter sido arrastada até o fundo do oceano, no qual os minerais contidos no meio auxiliaram na preservação do animal.

Outra especulação é que o fóssil possa ter sido levado até o oeste canadense por meio de enchentes e pelo movimento dos oceanos com o passar dos milhões de anos.

As características do nodossauro

Identificar que o dinossauro pertence à espécie dos nodossauros auxiliou para saber o quão bem preservado o fóssil estava.

Já que a partir de técnicas avançadas foi possível saber que a coloração do dinossauro era de um marrom avermelhado com tons diferentes por todo seu corpo.

Os nodossauros possuem quatro patas e eram protegidos por uma “casca” grossa e espinhosa. Essa espécie são de herbívoros e pesavam cerca de 3000 libras.

Para se ter noção de quão preservado o nodossauro está, quando chegou para testes ele ainda estava pesando cerca de 2500 libras.

Publicidade

Sua couraça também estava quase que perfeitamente intacta e seu crânio ainda possuía uma armadura pontuda e detalhes muito bem preservados.

Os pesquisadores acreditam que ele foi fossilizado por inteiro, mas quando foi encontrado apenas dos seus quadris ao focinho que estava passível de recuperação e totalmente intacto.

Além disso, é suposto que sua cor da pele desempenhou um papel muito importante na proteção dos carnívoros, já que sua espécie era herbívora.

Publicidade

O destino final

Após 7000 horas de reconstrução, o dinossauro estava pronto para que o público pudesse apreciá-lo.

A grande criatura foi nomeada como Borealopelta como markmitchelli, em homenagem ao técnico Mark Mitchell que cuidou de toda a sua restauração.

Hoje, o nodossauro se encontra em exposição no Museu Tyrrel, no Canadá, um local para quem realmente se interessa pela história de dinossauros, já que toda a região é composta de sítios arqueológicos, na qual o museu detém todas as descobertas.

Publicidade

Deixe um comentário...

%d blogueiros gostam disto: