Estes túneis foram escavados por preguiças-gigantes que viveram há 10.000 anos no Brasil

Publicidade

Se voce encontrasse um túnel gigante, com aproximadamente 100 metros de extensão, acreditaria que havia sido feito por algum animal?

Publicidade

Publicidade

0 0px 0; text-align:center;">
Publicidade

Publicidade

Mas qual criatura gigante poderia ter feito isso? Essa foi a pergunta que o professor de geologia Heinrich Frank se fez enquanto buscava por um misterioso túnel descoberto em Novo Hamburgo, Brasil.

Publicidade

Diferente de qualquer caso que ele já tinha visto, Frank presumiu que o túnel havia sido cavado por um ser vivo.

“Não há processo geológico no mundo que produz túneis longos com uma sensação transversal circular ou elíptica, que se ramificam, sobem e caem, com marcas de garras nas paredes”, disse Frank.

A criatura havia deixado enormes marcas de garras nas paredes e teto. Logo, Frank recuou e resolveu retornar em algumas semanas.

Professor na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Frank acabou nomeando os misteriosos túneis e identificando o animal mais propenso a ter feito as escavações, não só dos túneis de Novo Hamburgo, mas também de milhares de outros no Brasil.

O professor encontrou seu primeiro túnel do início dos anos 2000, e descobriu que um cientista havia nomeado “Palaeoburrows”. Até hoje, Frank e outros pesquisadores encontraram mais de 1.500 túneis só no Estado do Rio Grande do Sul, além de vários outros em Santa Catarina. A maioria desses túneis se estendem por centenas de metros. Um túnel com 600 metros de comprimento, 1,80 metros de altura e até 5 metros de largura o maior deles.

“Nessas tocas, às vezes você tem a sensação de que há alguma criatura está esperando ao redor da próxima curva – você se sente como um animal pré-histórico”, escreveu Frank.

Por ventura, ele encontrou indícios suficientes para acreditar de que os túneis foram escavacados por uma preguiça gigante. A evidência principal são as marcas de garras profundas encontradas nas paredes dos túneis. A maioria dos cientistas passaram a acreditar após um tempo que realmente os túneis só poderiam ter sido feitos por uma preguiça gigante, e não por tatus gigantes, como acreditavam.

Publicidade

Megatherium americanum é o nome científico da espécie extinta de preguiça gigante. O nome significa “grande besta da América”. Estas criaturas mediam até 4,6 metros e pesavam cerca de 4 toneladas. Algumas preguiças passaram grande parte de sua vida útil dedicada inteiramente à construção de túneis grandes e extensos.

Frank e sua equipe não têm certeza se as extensas cavernas foram usadas para escapar do clima, predadores ou umidade. Acredita-se que vários indivíduos passaram por uma mesma toca, e continuaram trabalhando para torná-la tão enorme.

Em 1787 foram descobertos, por Manuel Torres, na Argentina, os primeiros fósseis de Megatherium americanum, e enviados para o Museu Nacional de Ciencias em Madrid, onde está exposto o esqueleto original.

Em 1796, o anatomista Georges Cuvier determinou as relações e a aparência de Megatherium, estabelecendo que era uma preguiça. No início, ele acreditava que o animal usava suas garras enormes para escalar árvores, como preguiças modernas, mas mudou sua hipótese para sustentar um estilo de vida subterrâneo.

Apesar de suas garras enormes, a preguiça gigante era vegetariana. Isso foi confirmado através da análise química dos dentes do animal que ajudaram a saber o que ele comeu durante a vida.

Até hoje, Frank e outros pesquisadores continuam nas buscas pois nunca encontraram fósseis dentro das cavernas, material orgânico ou depósitos minerais que poderiam ajudar a saber de fato a idade dos túneis.

Continuar lendo

Deixe um comentário...