Mulher do século VII deu à luz uma criança depois de estar morta e enterrada

Arqueólogos finlandeses descrevem um caso de “parto após a morte”, onde uma grávida de 24 anos, enterrada em uma capela da família, deu à luz um feto. Nem ela nem a criança já estavam vivas naquele momento.

Corpo foi enterrado 5 meses e meio após a morte

Arqueólogos examinaram uma antiga capela na comunidade Vihti, no sul da Finlândia. O edifício foi construído em 1785 e serviu como cripta da família Toll. Os enterros foram realizados lá de 1785 a 1829.

A mulher encontrada é um dos oito membros da família cujos restos mortais foram examinados por cientistas.

O nome dela era Charlotte Bjornram. Ela era casada com um residente de Vihti chamado Karl Henrik Tall, a cuja família pertencia a cripta, e morreu em 23 de outubro de 1808 aos 24 anos de uma certa doença.

De acordo com a prática generalizada no início dos 19 anos, seu corpo foi embalsamado e enterrado apenas cinco meses e meio após sua morte.

Para surpresa dos arqueólogos, na região pélvica da falecida, eles viram um crânio pertencente a um feto. Pelo tamanho dos restos do esqueleto fetal, foi possível constatar que Charlotte Bjornram morreu no início do terceiro trimestre de gravidez. De acordo com o comprimento dos ossos, o período de gestação aproximado foi de 30 a 32 semanas.

A história foi relatada no The International Journal of Osteoarchaeology.

Parto após a morte: outros casos

“Parto em caixão” ou “parto póstumo” é um caso extremamente raro, mas não isolado. Isso porque, durante a decomposição, os gases acumulados no abdome empurram o feto para fora.

Por exemplo, em 2018, arqueólogos italianos desenterraram o corpo de uma mulher que viveu entre os séculos VII e VIII. Ela sofreu de complicações graves durante a gravidez – ela tinha pressão arterial extremamente alta. A mulher morreu e com ela o feto “nasceu” na sepultura, que, como no caso de Charlotte Bjornram, tinha cerca de seis meses.

O último caso conhecido ocorreu em 2005 em Hamburgo, quando uma mulher de 34 anos que morreu de overdose de heroína e ficou em seu apartamento por vários dias teve um “parto póstumo”. Uma autópsia revelou que tanto o feto quanto a mãe estavam mortos neste momento.

Publicidade

Deixe um comentário...