O que acontecerá quando a Rainha Elizabeth II morrer?

Publicidade

Quem nunca ficou espantado ao admirar fotografias antigas ou ao ler relatos de outros tempos envolvendo uma das mulheres mais influentes dos últimos dois séculos, que segue firme e forte rumo aos seus noventa e cinco anos de idade, sendo quase setenta dedicados ao seu reinado?

Publicidade

A Rainha Elizabeth II está no trono real desde 1952. Esse é o reinado mais longo de qualquer monarca da história britânica. E durante esse tempo, ela viu mais de uma dezena de ministros britânicos, 20 Jogos Olímpicos e conheceu mais de meia dúzia de papas.

Publicidade

As inúmeras curiosidades, os livros, os filmes, as séries e até mesmo os memes que retratam um pouco da vida de uma rainha considerada conservadora, rígida, discreta e observadora, na prática, as credenciam ao posto de idosa mais famosa do Planeta Terra.

Publicidade

Embora a monarca siga demonstrando sinais de longevidade e não tenha perdido nem um pouco do seu senso crítico, a partir de agora nós buscaremos responder a uma pergunta que muita gente já deve ter feito ao longo das últimas décadas: O QUE ACONTECERÁ QUANDO A RAINHA ELIZABETH II MORRER?

Publicidade

A OPERAÇÃO LONDON BRIDGE

Seria ingênuo imaginar que o Reino Unido não tivesse um plano muito bem elaborado a ser implementado nesse momento que fatalmente ocorrerá num futuro não tão distante, envolvendo uma das figuras públicas mais relevantes de todos os tempos.

Publicidade

A Operação “London Bridge” ou Ponte de Londres, numa tradução livre para o português, é o nome desse plano que entrará em vigor no momento em que a rainha Elizabeth II vier a óbito, conforme alguns dos detalhes já foram publicados em grandes veículos de imprensa da Inglaterra.

PRIMEIROS PROTOCOLOS DA MONARQUIA BRITÂNICA

Nessa operação que seguirá à risca uma séria de protocolos previamente elaborados, o secretário particular da rainha, atualmente o Sr. Christopher Geidt, terá a difícil missão de dar a notícia ao Primeiro Ministro, se utilizando do código “London Bridge is Down”, mensagem que significa “A Rainha Está Morta”.

Publicidade

Vale ressaltar que quando o secretário entrar em contato com o chefe de governo, atualmente a primeira-ministra Theresa May, ela será acordada mesmo que a morte aconteça ao longo da madrugada. Já os funcionários serão informados por meio de uma comunicação interna segura, com a mesma mensagem “London Bridge is Down”.
Na sequência, o papel do Ministério das Relações Exteriores, que fica localizado em um lugar secreto da região de Londres, será o de dar a notícia aos quinze governos dos países onde Elizabeth II é chefe de Estado, assim como a outros Estados da Commonwealth, o grupo de países que, de uma forma ou de outra, fazia parte do Império Britânico.

ANÚNCIO OFICIAL AO MUNDO

A tendência é que todas as pessoas recebam o comunicado da maneira mais rápida possível, tendo em vista que a BBC e a Press Association serão notificadas por meio de um “flash informativo” oficial, seguidas do restante da imprensa.

Publicidade

Importante relembrar que no momento em que o rei George VI, pai da rainha Elizabeth II, veio a óbito às 7h30 do dia 6 de fevereiro de 1952, a BBC comunicou o acontecimento pouco mais de três horas e meia após a realização dos protocolos iniciais.

Já é fato consumado que as emissoras BBC 1, BBC 2 e BBC 4 vão se unir e transmitir a mesma programação que vai consistir no Estandarte Real, com a bandeira da monarquia estampada na tela ao som do hino nacional, seguidos de boletins com notícias relacionadas à morte da rainha.

Publicidade

COMO OCORRERÁ A SUCESSÃO DO TRONO?

Na fatídica cerimônia que sagrará Charles como o novo Rei do trono, os seus irmãos beijarão a sua mão como uma forma de jurar fidelidade e, no fim da tarde do mesmo dia, ele realizará o seu primeiro discurso.

Às onze horas da manhã do dia seguinte à morte, Charles será oficialmente proclamado na Proclamation Gallery do Palácio de St. James e quarenta e um tiros de canhão serão disparados no Hyde Park para celebrar a chegada do 41º monarca a ocupar o trono.

Ainda no Palácio, a banda da tropa de infantaria de elite do Exército britânico vai ecoar o hino nacional e depois Charles viajará para participar de cerimônias em homenagem à sua mãe em todos os países que compõem o Reino Unido.

LUTO

Quando a rainha morrer, serão respeitados nove dias de luto em todo o país, com bandeiras hasteadas a meio mastro ao som de sinos de igrejas que tocarão de maneira praticamente incessante.

Quatro dias após o início do luto, o corpo será levado da Sala do Trono ao Westminster Hall, no Parlamento inglês. Lá os soldados vão se revezar a cada vinte minutos para fazer a sua guarda e as pessoas poderão acessar o Hall para prestar suas últimas homenagens.

A expectativa estimada é de que ao menos meio milhão de pessoas se despeçam da Rainha ao vivo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

No nono e último dia, quando chegarmos ao funeral, o Big Ben vai tocar pontualmente às nove horas da manhã com notas abafadas ao invés do seu tradicional “Mi maior”. Será um dia com estabelecimentos comerciais fechados, com a prática de esportes restritamente proibidas, sem que outro assunto divida o cotidiano das pessoas.

Às onze horas o caixão vai adentrar a Abadia de Westminster e o país irá parar completamente. Os trens e estações ferroviárias vão ser interrompidos. O respeito e o luto vai imperar por alguns instantes por todo o Reino Unido.

Para finalizar essa operação bilionária, o caixão seguirá em procissão rumo à Windsor onde o restante da cerimônia será privado e restrito à Família Real. Charles será o primeiro a jogar um punhado de terra vermelha sob o caixão da mãe.

E respondendo pelos vários feriados, despesas de funeral e comemorações da coroação, estima-se que o falecimento da rainha custará à economia do Reino Unido bilhões de libras. Além do mais, centenas de mudanças acontecerão em todo o Reino Unido nos meses seguintes. A nova moeda britânica serão impressas com o retrato do rei, e a moeda da rainha será lentamente removida do uso. O mesmo acontecerá com selos, passaportes e uniformes policiais e militares. E o hino nacional será alterado para “Deus salve o rei”.

Teremos sido, então, testemunhas do fim de uma era.

Publicidade

Deixe um comentário...

%d blogueiros gostam disto: